Notícias Fecomercio

29 de março de 2019

“Baixa produtividade é problema crônico no Brasil”, diz José Pastore em evento na FecomercioSP


Evento realizado na sede da Entidade aponta que educação profissional e tecnologia são os melhores investimentos para mudar o quadro da baixa produtividade do País

A baixa produtividade brasileira tem raízes distintas, mas a escassez de investimentos em educação profissional, principalmente entre os jovens, foi apontada como uma das causas dessa situação. A análise foi feita por especialistas que estiveram presentes no evento “Por que a produtividade no Brasil é tão baixa?”, organizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), na sexta-feira (29), na sede da Entidade.

“A estagnação da produtividade brasileira vem de longe, e, enquanto não progredimos, outros países caminharam. Muitos fatores pesam sobre a baixa produtividade brasileira, e um deles é a educação. Para a produtividade, a educação não é tudo, mas é quase tudo”, alerta o presidente do Conselho de Emprego e Relações do Trabalho da FecomercioSP, José Pastore.

Os reflexos dessa baixa produtividade são sentidos em cascata por toda a economia, inclusive no bolso dos consumidores, na aquisição de produtos e serviços. “O Brasil é um país caro porque não consegue competir e ter preços favoráveis. Os altos custos (resultado dos desperdícios e falta de foco) oneram a produção. A produtividade do trabalho pesa nesse quadro”, explica.

Prova de que o País ficou para trás está no ranking de competitividade da escola de negócios suíça IMD. No estudo mais recente, divulgado em 2018, o Brasil está no 60º lugar, na frente apenas de Croácia, Mongólia e Venezuela.

“Até 1980, nossa produtividade era parecida com a coreana e o dobro da chinesa, mas paramos de crescer, e, em 2011, o crescimento de produtividade do Brasil ficou abaixo dos países africanos. Paramos e o mundo seguiu”, comenta o professor titular de Políticas Públicas da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV), André Portela.

Confira a matéria completa aqui.

Voltar para Notícias